Dicas para tricotar bem


Você finalmente perdeu o medo das agulhas e resolveu aprender a tricotar. Passou pelos pontos básicos aprendeu a arrematar e agora quer  empreender um projeto de tricô que viu e gostou muito, certo?
Inauguramos hoje a  nossa página de Dicas de tricô. Vou permear essa página com uma história muito especial de como foi que aprendi e como aprendi a ensinar.  Em capítulos, acompanhem:
Aprendi tricô aos 9 anos com uma professora maravilhosa chamada Ieda. Ela era voluntária em um programa de assistência na comunidade de Vila Planalto. Ensinou a princípio para minha mãe. Dona Maria não queria ser perturbada enquanto estivesse tecendo, nem que eu pegasse nos fios para não sujar. Ela estava tão encantada com o brinquedinho novo que no maior capricho, tecia meio que isolada. E eu, uma menina curiosa,  ficava atrás espiando ela tecer em agulhas Irma de metal e um fio amarelinho claro. Um dia cansei de espiar e surrupiei a sacola. De tanto espiar eu consegui reproduzir uma amostra. Dormi com tricô nas mãos, e fui pega no pulo. O que aconteceu foi que no outro dia eu tomei uma bronca e minha mãe estupefata com a minha amostra me levou para ter aulas com D. Ieda. Saí de lá adotada tricosísticamente falando, com amostras e um pacote de fio em tom goiaba para tecer um pulôver. Depois volto a falar de D.Ieda e da minha primeira empreitada no tricô. São memórias que irei desfiando ao longo das dicas postadas aqui. Vamos pular para o ano de  2005, quando tive a minha primeira experiência em tricô pela internet lendo o maravilhoso porém extinto blog Montricot, hoje disponível apenas em arquivo morto. E foi por conta dessa inovação tecnológica e das tendências de moda da época, que perduram até hoje que aproveitei muito bem o que era ensinado no Montricot,  bem nos formatos de D. Ieda, que eu quis aprender cada vez mais e acabei por gostar de ensinar. Virou profissão e tenho o maior orgulho em dizer que sou tricoteira. 
Compartilho então com vocês o que li por lá e por outros lugares editado com minhas impressões pessoais:

Dicas para iniciantes:
- A amostra é o mais importante do seu projeto. Pode ser considerada uma coisa chata mas a meu ver  é essencial. Tudo que é pra ser um sucesso, requer paciência e cuidado então por favor, sempre verifique a tensão do seu ponto antes de começar em um novo modelo usando para isso uma amostra .Não interessa se você pagou pela revista e a receita escolhida confere com o seu manequim. A tensão correta do ponto é o pré-requisito mais importante, se o seu projeto é para ser um sucesso. Mesmo que seja um incômodo e você prefira muito mais começar direto aquele casaco lindo daquela revista, este trabalho preliminar pode salvar o projeto, economizar tempo, e às vezes dinheiro, também. Executar amostras é uma maneira de ajustar sua própria maneira de tricotar para o fio usado. Todas as instruções dos tricô são em vão  se você não tem o hábito  de fazer amostras preliminares. Então nas leis do tricô, a amostra precede todas as outras.

Como confeccionar uma amostra corretamente: 
 1. Sempre use o fio original, ainda que para isso você tenha que adquirir um novelo a mais.
 2. Teça o o ponto original na quantidade de pontos recomendada.
 3. A amostra da tensão deve ser pelo menos 12x12 cm. Embora  as publicações e rótulos de fabricantes recomendem apenas 10x10 cm. E se você ama o tricô, investir em 2 cm a mais não será problema
4. Trate a amostra exatamente como a peça final. Se o seu ponto é demasiado apertado, ou seja, você precisa de pontos e fio mais do que a estipulada na recomendação para atingir as medidas de 12x12 cm, tente novamente com agulhas maiores. Se a sua amostra ficou folgada e você precisa de menos pontos, então provavelmente você precisará de agulhas menores também.  Pequenos erros de cálculo podem ser corrigidos com  uma outra amostra a ser comparada com a primeira.  Para ter realmente certeza, verificar o seu trabalho novamente quando ele mede cerca de 20 ou 30 centímetros. É e possível que com muitos pontos em suas agulhas (ou quando você se acostumou com o fio e o ponto) que o seu tricô é mais apertado ou mais frouxo do que na amostra.

- Compre toda lã de que vai precisar, de uma só vez. Caso contrário, você se arrisca a não encontrar outra exatamente igual.Todo lote de lã tem um número. Mas, mesmo da mesma cor, lotes diferentes não são totalmente iguais.

- Se a lã for demais e sobrar, não se desfaça dela. Mais cedo ou mais tarde, você poderá utilizá-la para barrados ou desenhos em outras peças de tricô ou crochê.

- Lembre-se que é importantíssimo executar uma amostra, a fim de adaptar o seu modo de trabalhar às explicações da receita. Cada mão tem uma tensão de ponto diferente. Se precisar de mais malhas ou pontos para ter os 10 cm de uma amostra é porque seu ponto é apertado. Nesse caso, troque por agulhas meio ou um ponto mais grossas. E vice-versa, se você tem ponto frouxo.

- Quando executar um trabalho com linha ou barbante de algodão, lembre-se de que ele vai encolher ao ser lavado. Por isto, faça uma amostra com 10 cm e ponha de molho de um dia para o outro. Depois, passe sabão e enxágüe. Deixe enxugar na horizontal, sobre uma toalha felpuda. Passe com ferro a vapor, pelo avesso. Torne a medir. Você terá então uma amostra básica - que servirá de referência para adaptar o trabalho. E adquira um novelo a mais do que foi recomendado.

- Retire o fio do interior do novelo para fazer tricô ou crochê. Dessa maneira, ele não embaraçará, nem ficará com partes mais retorcidas e menos espessas, o que tornaria o trabalho desigual.

- Quando trabalhar com dois fios de lã, ou com um de lã e outro de algodão, ou ainda um de lã e outro de seda, é preferível deixar os dois novelos separados, mesmo que seja menos cômodo. Ponha-os dentro de uma caixa, faça dois furos na tampa e passe cada fio num furo. Dessa forma, os novelos não se embaraçam. E vou lhes dizer que  coloco  os novelos em saquinhos separados porque na minha caixa eles ficaram brigando.

- Se preferir, no entanto, ter um só novelo preparado com os dois fios (ou com três ou mais, se for o caso), refaça o novelo três ou quatro vezes antes de começar o tricô ou o crochê. Assim, a tensão será mais uniforme.

- Quando você trabalhar com lã escura - o que cansa muito a vista - apoie uma toalha branca sobre os joelhos. O contraste entre o branco e o escuro será mais nítido, permitindo ver melhor as malhas ou os pontos e contá-los com facilidade.

- Quando usar lã de marca ou tipo diferente da que foi indicada, faça amostras, até que consiga uma exatamente igual à da receita. Caso contrário, use agulhas um pouco mais finas ou mais grossas. Se, mesmo assim, não conseguir as medidas indicadas para a amostra é porque a lã é muito diferente. O jeito então é adaptar receita ou a lã.

- Antes de começar um trabalho em tricô ou crochê que exija muitas cores, tire de cada novelo um fio de amostra e amarre-o na etiqueta que o envolve. Quando a lã acabar, pegue a etiqueta com a amostra e leve ao armarinho para comprar outra igual, se for preciso.

- Para as principiantes que estão tricotando um trabalho formado por dois pedaços idênticos mas ao contrário, escrever novamente a receita, mas invertendo as indicações; isto evitará as hesitações e os erros quanto à localização das diminuições e dos aumentos.

- Para evitar erros numa parada do trabalho, especialmente no caso de motivos ajurados, use marcadores para sinalizar a carreira correspondente.

- As explicações para um certo modelo são geralmente fornecidas em vários tamanhos. Para facilitar a leitura, cercar de vermelho os números correspondentes ao tamanho escolhido. Isto evitará hesitações e erros possíveis. A minha dica e que você tire uma Xerox da recita e use um marca - texto.

- No caso de uma malha listrada em tricô, em vez de cortar os fios no fim das listras, passá-los nas bordas. Na hora de fazer os acabamentos, dissimulá-los nas costuras ou nas bordas, ou fazer com uma agulha de tapeçaria um ponto de chulear por cima da borda, para segurá-los.

- Quando há uma diferença de tonalidade entre dois novelos da mesma cor (lotes diferentes), para evitar a passagem brusca de uma tonalidade para outra, antes do fim de um novelo e antes de começar o seguinte,faça uma carreira da primeira tonalidade, depois uma carreira na segunda tonalidade e assim por diante, durante umas dez carreiras. Os tons alternados misturam-se suavemente

- Numa malha canelada e listrada, para evitar a formação de uma demarcação na mudança de cor, no direito do trabalho, trabalhar do seguinte modo: na mudança de cor, tricotar a 1.ª carreira da nova cor no direito do trabalho, toda em meia, o que não diminui a elasticidade das barras. Mas esta receita só serve para os trabalhos que têm um direito e um avesso (não para echarpes, naturalmente).

. Para tricotar uma corda com quatro pontos, para as mais práticas, não é necessário pôr os p. numa agulha auxiliar. Basta passar a agulha pela frente ou por trás dos dois primeiros pontos e tricotar os dois seguintes esticando-os ligeiramente.
. Para levantar com facilidade um grande número de pontos (por ex., no caso da borda de um colete), usar uma agulha circular em vez de várias agulhas e tricotar com esta agulha em carreiras de ida e volta.

. Para evitar uma saliência formada por um aumento nas bordas, e principalmente para que estas continuem retas e não se deformem posteriormente, fazer os aumentos a dois ou três pontos da beirada.Por exemplo, a costura duma manga será mais regular, podendo, além disso, ser feita com um grafting vertical.

. Quando as mangas de uma malha são tricotadas uma após a outra, é difícil obter duas mangas idênticas: conseqüentemente, é aconselhável tricotá-las simultaneamente. Numa mesma agulha, montar separadamente cada manga, usando um novelo para cada uma. Tricotar repetindo as mesmas operações em cada uma das mangas. 

- Quando se vai desmanchar uma parte de um trabalho, é muito mais fácil retomar os pontos soltos com uma agulha de número menor àquele usado para executar a malha.

- Para conseguir uma curva perfeita na barra de um vestido, saia ou casaco tricotado, montar o número necessário de pontos de base,cortar o fio e passar o primeiro terço dos pontos na agulha direita.Tricotar o terço do meio. Virar, depois trabalhar em carreiras de ida e volta, pegando, no fim de cada carreira, um certo número de pontos à espera de cada lado. Repetir esta operação três vezes de cada lado.

- Para reaproveitar a lã de uma malha gasta e limpa, esticá-la sobre um pequeno quadro de madeira ou de cartolina, tipo dobadoura, para formar uma meada que será colocada ou suspensa acima de um recipiente com água fervente (tipo banho-maria, peixeira, ou marmita grande).Deixar o novelo nesta posição até o fio endireitar-se e readquirir todo seu volume inicial. Pode-se também usar uma garrafa grande de plástico, de água mineral ou refrigerante. Enrole a lã em volta da garrafa e encha com água quente. Repita se necessário.

- Para um pequeno conserto numa malha, é necessário ter lã com a mesma cor e textura. Para isso, quando se terminar um trabalho em tricô ou em crochê, inserir nas costuras dos lados e das mangas, se forem compridas, uma ou duas agulhadas de lã. Elas estarão à sua disposição em caso de necessidade, e o que é mais importante, com exatamente a mesma cor que a malha, mesmo sendo levemente desbotada por lavagens repetidas.

- Para consertar ou alongar uma malha tricotada num ponto simples, como ponto meia ou ponto tricô, basta puxar um fio para separar a tira gasta da parte ainda em bom estado. Em seguida, levantar os pontos assim soltos e fazer uma nova barra ou alongar a malha, fazendo o mesmo ponto que foi usado para executá-la.
- Os pulôveres das crianças podem durar mais tempo se se transformarem as mangas compridas, com cotovelos gastos, em mangas curtas. Para isso, basta puxar cuidadosamente um fio na altura desejada para a manga e levantar os pontos da parte superior para formar uma nova borda.

- Muitas vezes, torna-se necessário alongar ou refazer a barra de uma malha de criança. Para que estas reparações se tornem invisíveis, tricotar, ao mesmo tempo que o pulôver, um quadrado em ponto meia (25x25 cm), com a lã que sobrou. Pregar nele um botão, que servirá em caso de perda. Cada vez que se lavar a malha, lavar também o quadrado.Deste modo, na hora de usá-lo para o conserto, ele terá exatamente a mesma cor que a malha.

Mais algumas dicas interessantes
-Se você costuma se atrapalhar e não sabe se está trabalhando o direito ou o avesso do tricô ou crochê, observe onde está a ponta inicial do fio. Se estiver a sua direita, o direito do trabalho está virado para o seu lado.

-Acostume-se a fazer marcações com um fio de cor diferente,enfiado no lugar certo, para evitar contar malhas, pontos e carreiras a todo momento, principalmente quando executar aumentos ou diminuições.

-Se a tensão de seu ponto é diferente em carreiras feitas pelo avesso ou pelo direito (isso acontece mais em tricô que em crochê),prejudicando o resultado de seu trabalho, experimente usar agulhas de medidas diferentes: uma mais fina para as carreiras em que os pontos ficam frouxos e outra mais grossa para as carreiras em que os pontos ficam apertado.

-Trabalhando em tricô, tenha sempre a mão dois ou três alfinetes de segurança: eles são necessários para prender as malhas em certas fases do trabalho, evitando que escapem.

-Se tiver que desmanchar parte de um trabalho de tricô e tornar apegar as malhas, pegue-as com agulha meio ponto mais fina do que aquela que está usando. Assim, será mais fácil e rápido. Depois, continue a execução com a agulha mais grossa.

- Para esconder as pontas de fios que foram emendados, use uma agulha de crochê e não uma de costura. O trabalho será mais rápido e o resultado melhor. Enfie a agulha nos pontos que precedem o fio solto, pegue-o e puxe por dentro de cinco ou seis malhas ou pontos, com o gancho da agulha. Corte fora o excesso.

-Se a lã não foi suficiente e a que comprou depois não tiver a tonalidade exata da primeira, deixa-a para usar nos arremates: golas, punhos, sanfonas. Assim, a diferença passará despercebida. Ou então trabalhe cerca de 10cm em carreiras alternadas, com a lã antiga e a lã nova, a fim de minimizará diferença de colorido.

-Guarde sempre as sobras de lã. Elas poderão ser úteis para consertos futuros.

-Se você está seguindo uma receita de tricô com pontos de trança e não tem à mão agulhas auxiliares para deixar as malhas à espera,use uma agulha circular de 40 cm mais finas que a usada no seu trabalho. As malhas não escaparão e o trabalho ficará leve e prático.

- Para que as ourelas fiquem firmes em seus trabalhos de tricô,teça a primeira malha de cada carreira pelo avesso. A margem ficará forte e será bem mais fácil costurar as diversas partes umas nas outras.

- Mesmo que tenha pressa, nunca suspenda o trabalho sem ter chegado até o final da carreira, para evitar que a linha espiche no local em que ficou presa à agulha à espera. Do contrário, surgirão buracos difíceis de eliminar, mesmo lavando e passando a ferro.

- Quando terminar um novelo e começar outro no meio do trabalho, é bom fazer a mudança no início de uma carreira para evitar emendas no meio, ainda que desperdice um pouco de fio.

- Se você vai utilizar uma lã cara como angorá, mohair, cashmere, não escolha para seu agasalho modelos extravagantes, de última moda.Um pulôver ou casaquinho clássico, com manga raglã ou de cava, em ponto simples, que valoriza a lã, durará muitos anos.

A sobras:
-Mesmo que você tenha poucas sobras de linha ou barbante de cada cor, faça toalhinhas em tricô ou crochê, com listras coloridas, para um jogo americano. Forre com tecido liso, deixando uma boa borda, de modo a formar um barrado em toda a volta. Faça os guardanapos na mesma fazenda. Arremate-os com uma carreirinha de crochê.

Roupa usada:
-Se a roupa não pode ser remendada, corte-a em quadrados ou retângulos, passe uma costura em volta (à máquina, em ponto ziguezague), para que as malhas não corram. Emende-os e faça almofadas coloridas para jogar sobre a cama ou o sofá. Se preferir, emende os quadrados para formar uma colcha macia para a cama ou berço do bebê. Forre em tecido de algodão, em cor que combine. Ou, ainda, arme um xale, comprido ou triangular, para os dias mais frios e forre-o com lã fina e macia, lisa ou com florzinhas do campo.

Um pulôver diferente:
-Transforme o pulôver do ano passado num modelo diferente,trabalhando meios pontos de crochê sobre as costuras dos lados e dos ombros, em duas cores, em carreiras juntinhas e paralelas.
Ou borde, em ponto de cruz, motivos coloridos, letras, nomes, frases engraçadas.
-Aplique figuras de animais, recortadas em tecidos, nos agasalhos das crianças, presas com costura invisível ou ponto de caseado.

Malhas reaproveitadas:
-Se o pulôver ficou curto, porque a criança cresceu, você pode reaproveitá-lo. 
Basta tirar um fio bem junto à margem inferior, pegar as malhas com uma agulha e tricotar carreiras coloridas, em listras finas ou grossas. Faça o mesmo nos punhos das mangas e nas pernas das alças.

-Se as mangas de sua blusa estiverem muito surradas, pegue as malhas m toda a volta e faça uma ou duas carreiras de arremate. Depois, borde florzinhas na frente, em ponto cheio. Assim, você terá um colete florido, para usar com saias ou calças compridas.

-Renove as roupas de tricô e crochê· Uma aplicação tricotada à mão ou à máquina, em cor contrastante ou dourada, transforma em novo um velho vestido ou pulôver de malha.

-Se o pulôver de tricô de sua filha ficou muito curto, pegue as malhas em toda a volta da borda inferior e tricote, formando babados, amentando a espaços regulares. Continue - sempre aumentando regularmente - até o comprimento da saia, para formar um vestidinho. O próprio peso da saia esticará a blusa. Escolha um tom um pouco mais escuro que o da blusa, mas na mesma cor.

-Os pulôveres de crochê também podem ser aproveitados da mesma maneira. Escolha para a saia um ponto rendado ou em conchas.

Cinco sugestões para você aproveitar uma velha malha
1 - Tire as mangas e a gola e debrue em tecido o decote e as cavas.
2 - Abra na frente e aplique uma pala de tecido, pespontando à mão ou à máquina.
3 - Aproveite o modelo original, aplicando reforços em tecido, nos ombros e cotovelos.
4 - Transformada em colete, debrue a malha em toda a volta e passe um cadarço na frente.
5 - Debrue decote e cavas e acrescente um bolso recortado da manga que foi retirada.Para consertar o pulôver·

-Se o pulôver estiver furado, não tente remendá-lo. Em vez disso,compre fio de seda para bordar, em tonalidade um pouco mais clara ou mais escura que a roupa furada. Borde poás em pontos cheios,começando por um poá que feche e esconda o furo e mais alguns em torno, em triângulo, círculo ou espalhados.

Meias de tricô
-Se estiverem rasgadas nas pontas dos pés, desfaça esta parte e tricote algumas carreiras em outra cor ou em listras.

Manta em quadrados
-Use sobras de lã - de todas as cores - para confeccionar uma manta bem quentinha e de execução simples. Faça quadrados em tricô ou crochê, até o número desejado para compor uma manta no tamanho que idealizou. Depois, emende-os com costura invisível (ponto de bainha),executada em lã ou, se preferir, em crochê (meio ponto baixo)
Se você quiser ter menos trabalho, faça em tricô ou crochê quadrados ou retângulos com 20 por 30 cm e recorte outros em tecido na mesma dimensão. Para armar, alterne os de tricô ou crochê com os de tecido, como num tabuleiro de xadrez. Os de tecido podem ser em cor lisa, como preto, castanho, cinza, verde-musgo, etc.

Almofadas de renda· Aproveite os centros de mesa em renda de crochê que você não usa. Aplique-os sobre almofadas de veludo ou cetim de algodão,redondas ou ovais. Escolha o tecido em tonalidade escura para destacar o trabalho.

Manchas
-O vinagre é um ótimo produto para enxaguar lã ou seda natural, porque reaviva as cores e, ao mesmo tempo, remove resíduos de manchas.

- A água oxigenada, para lavar tricô ou crochê, deve ser usada a 12 volumes e, assim mesmo, diluída: 1 parte de água oxigenada para 10 partes de água. Mas só a utilize em fios brancos, pois ela desbota os coloridos.

- A aguarrás pode ser usada, mas com muita cautela, pois quase sempre deixa um halo em volta da mancha.

- Use o álcool com muito cuidado em fibras sintéticas e sempre diluído em um pouco de água.

- Dilua a amônia em água, antes de utilizá-la. É um ótimo tira-manchas, porém muito forte. A solução ideal é: 1 colher de sopa de amônia para 1/2 litro de água. Não a utilize em sedas puras.

-A água sanitária só deve ser usada em trabalhos com fios de algodão - linhas ou barbantes - brancos. Use-a sempre diluída em água e não deixe a roupa mergulhada mais de 15 minutos.

-Como tira-manchas, a benzina evapora rapidamente e não deixa halos. Mas tome cuidado ao utilizá-la em fios sintéticos. Faça uma experiência antes.

-Um pouco de glicerina, misturada à água de enxágüe, torna as roupas de tricô e crochê mais macias.

-A terebintina é um outro removedor de manchas muito eficiente, mas não pode ser usada em determinados fios sintéticos.

- Os tira-manchas que existem no comércio, em pasta ou em spray,geralmente dão ótimos resultados.

Manchas de frutas
- Umedeça-as com um chumaço de algodão embebido em vinagre ou em leite fervente. Enxágüe depois, sempre com água fria.

Manchas de sorvete:
- Umedeça a mancha com um chumaço de algodão embebido em benzina. Depois, espalhe por cima talco ou maisena. Quando estiver bem seca, passe uma escova macia.

Manchas de chá ou café
- Se o tricô ou crochê foi executado com fios de algodão - linha ou barbante - lave com água e sabão ou, se necessário, com um pouco de água sanitária diluída em água.· Se forem trabalhados com fios sintéticos, cubra a mancha com um pedaço de tecido embebido em água misturada a um pouco de amônia.· Se as manchas de chá ou café são antigas, amoleça-as com um pouco de glicerina, antes de removê-las.

Manchas de vegetais:
- Molhe a mancha com um chumaço de algodão embebido em água com um pouco de amônia (1 litro de água com 1 colher de sopa de amônia).

- Se o tricô ou crochê manchado for muito delicado, em algodão ou lã pura, use água oxigenada a 12 volumes (1 colher de sopa). diluída em um copo de água.
- Em ambos os casos, passe depois sobre a mancha uma solução de 1 colher de sopa de vinagre branco e 1/2 copo de água antes de lavar a roupa completamente.

Manchas de caneta esferográfica:
- Em roupas trabalhadas em fios de algodão, molhe com leite cru e depois lave com água e sabão neutro. Se a mancha foi muito resistente, acrescente à água algumas gotas de acetona.

- Em lãs naturais ou sintéticas, tire a mancha com álcool a 90°, mas antes faça uma experiência verificar se não afeta o colorido.

Eu volto com mais.
Ildete Almeida

4 comentários:

  1. ótimo,pessoas impossibilitadas de sair ,têm agora mais possibilidade de compra.....

    ResponderExcluir
  2. Ildete, este seu trabalho é realmente maravilhoso!! Hoje em dia, é muito difícil encontrar tantas dicas úteis e práticas todas juntinhas, como você fez!! As iniciantes devem estar adorando!!Também faço tricô desde pequenina (hoje tenho 66 e comecei aos sete, fazendo sapatinho de bonecas com auxílio de palitos de dente, pois minha mãe também não queria que eu mexesse nas coisas dela, rsrsrsrsr). Quero, por isso, lhe dar meus parabéns pelo seu trabalho primoroso e, nada egoísta!! Um grande abraço!!

    ResponderExcluir
  3. Ótimas dicas, deu até vontade aprender a tricotar!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, suas dicas são incríveis, todas reunidas num só lugar. obrigada! estou aprendendo a tricotar só pela internet não tenho tempo de ter aulas.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...